espetáculos > funda

Funda

Celui qui tombe (Aquele que cai)

de Yoan Bourgeois (França) | 14 anos
ESTREIA 1º de maio 2021 (sábado)
disponível por 48h

SINOPSE

“Fronteiras” reúne as setes danças filmadas da programação do Online Festival de Dança Itacaré. Resultado de criação coletiva com colaboração de artistas baianos, um processo híbrido que teve fases de trabalho remotas e presenciais. O cineasta goiano Victor Quixabeira e Souza assina a direção de fotografia e montagem de obras inéditas criadas em espaços urbanos e naturais. As danças encontram paisagens de Itacaré para dialogarem com temas relacionados às fronteiras: VOZES I Senhoras do Porto de Trás, VAMOS PRA COSTA?, ME CHAME PRA DANÇAR NA MARGEM, QUERO FALAR, GRAPIÚNA, BREVIDADES SOBRE O LONGO PARTO DE SI MESMO, ATRAVESSAMENTOS, PERCURSO ENTRECRUZAS

Funda divugação 3. Nti Uirá
Funda divugação 2 Nti Uirá

SINOPSE

É uma dança das águas internas
Uma oração…
É entrega, oferenda!
Um pedido de permissão às sagradas, perdão às machucadas, agradecimento por catarse, aceitação e caminhos abertos. Uma dança para reafirmar o poder que a mulher tem de controlar e descontrolar seu corpo.
Há na fonte do corpo da mãe que resvala leite, mil danças, ciências, saberes. Lá dentro, de toda cavidade, funda, bem funda, o sangue se transforma no alimento que mantém a espécie humana em um corpo que goza, que jorra, que produz e se alimenta.
O fogo evoca um olhar visceral sobre algo natural que resguardamos no tabu.
O pano convida a ficar no profundo escavando memórias, ressignificando um
presente que aponta um futuro a construir…
Um experimento de
Olhar e buscar
Voltar para pegar o esquecido,
abandonado
ou roubado
Funda chama para olhar mais uma vez..
existe muito assunto dentro

FICHA TÉCNICA

Solo de Maju Passos @majupassos
Filme de Fabricio Boliveira @fabricioboliveira
Concepção estética / figurino SODDI, em memória @soddi_ssa
Fotografia e Câmera: Fabricio Boliveira
Consultoria de Fotografia: Thacle de Souza @happydisorder
Edição: Alana Karolyne @alanakarolyne
Captação de áudio: Regivan Santa Bárbara @regivansantabarbara
Making off : Nti Uirá @ntiuirafotografia
Apoio: Casa Charriot @casacharriot
Produção: Mazurca Produções
Realização: Mazurca Produções e Pras cabeças @prascabecasprodutora

BIOGRAFIA

Maju Passos é mulher negra cis, mãe de Ayo, uma criança de 3 anos e da Mazurca Produções culturais, uma micro empresa individual de 15 anos. Atua nos campos da arte – educação – cultura como performer, produtora, educadora e empresária.
Formada em dança pela Ufba e especialista em economia criativa e produção cultural pela FGV. Atualmente, interessada no corpo de quem cuida, vem entendendo o corpo da mulher mãe e suas diversas questões como gatilho para criação tanto dos seus processos artísticos quanto das suas iniciativas culturais. É também uma das gestoras da @casacharriot, conselheira na ong @abracoamicrocefalia e sócia da @escolinhamariafelipa.

O VIVADANÇA é um espaço de celebração da dança e da diversidade em movimento. Ao longo de 13 anos de história, o festival coloca a Bahia na rota de eventos calendarizados promovendo ricos diálogos e intercâmbios culturais.

logo-vivadanca-100px

O VIVADANÇA é um espaço de celebração da dança e da diversidade em movimento. Ao longo de 13 anos de história, o festival coloca a Bahia na rota de eventos calendarizados promovendo ricos diálogos e intercâmbios culturais.

2021 – Festival Vivadança