vivadança 2021 > bahia mundo podcast

bahia mundo podcast

Em 2021, o VIVADANÇA Festival Internacional lança o Bahia Mundo, podcast em cinco episódios com convidados muito especiais: bailarinos e coreógrafos baianos que saíram da Bahia e ganharam o mundo. Ao longo do programa, conheceremos a experiência de artistas que se estabeleceram no mercado profissional da dança em países como Alemanha, China, França e Estados Unidos. A ideia é conhecer suas trajetórias que inspiram a abrir novos horizontes de possibilidades no campo da dança no mundo. Os convidados desta primeira temporada são: Armando Pekeno (França), Augusto Soledade (Estados Unidos), Carlos Sampaio (Alemanha), Dimi Ferreira (França) e Evelin Keller (China). Apresentado por Sérgio Cerviño Rivero, os episódios do Bahia Mundo estreiam entre os dias 5 e 9 de maio de 2021, sempre às 16h, e podem ser escutados diretamente aqui nesta página.

 

As estreias seguem o seguinte cronograma:

Dia 05 de maio às 16h: Evelin Keller

Dia 06 de maio às 16h: Augusto Soledade

Dia 07 de maio às 16h: Armando Pekeno

Dia 08 de maio às 16h: Dimi Ferreira

Dia 09 de maio às 16h: Carlos Sampaio

BAHIA MUNDO – EPISÓDIO 01

Convidada: Evelin Keller (Hong Kong)

Apresentador: Sérgio Cerviño Rivero

A história em curso de Evelin Keller traz na sua essência o “saber o que se quer” e viver intensamente a temporalidade de uma dançarina: dançar o solo, dançar num coletivo, coreografar, passar o conhecimento apreendido às novas gerações.

 

Evelin é formada em Licenciatura em Dança pela UFBA 1999. Com o seu primeiro solo, Sonar, um projeto multimédia para palco e vídeo, Evelin é convidada para participar de festivais no Brasil, Portugal e Inglaterra. De volta ao Brasil, participa do Ateliê de Coreógrafos Brasileiros 2001, e é convidada para integrar a companhia de Gisela Rocha em Zurique. Atualmente residente em Hong Kong onde mora com sua família desde 2004, Evelin, concluiu um mestrado pela Hong Kong Academy for Performing Arts – Master Degree in Fine Arts, 2011 e fundou MotiveforMotion, a companhia tem o foco de pesquisa no processo criativo, seja para projetos de performances, workshops para crianças e adultos e pelo segundo ano realiza a plataforma MotionWorks, onde Evelin convida artistas da Dança para dividir seu processo criativo no palco; Stage To Stage.

BAHIA MUNDO – EPISÓDIO 02

Convidado: Augusto Soledade (Estados Unidos)

Apresentador: Sérgio Cerviño Rivero

Para Augusto Soledade a vida é um mar de oportunidades imperdíveis, em que a inquietude é o grande rotor da estrada. A dança é onde se quer chegar, para alcançar uma unidade, esse sentido integrador entre corpo e espaço: arquiteturas.

 

Augusto Soledade, Guggenheim Fellow – 2008, é o diretor artístico fundador e coreógrafo da Augusto Soledade Brazzdance, companhia de dança em Miami, FL, e é professor associado de dança na Universidade da Flórida. Soledade foi nomeado para o USArtist Fellowship em 2018 e foi selecionado para o Programa de Residência Internacional Vila Sul, no Instituto Goethe, na Bahia, Brasil. Em 2016, Soledade foi premiado pela sétima vez com a Miami Dade Choreographer’s Fellowship, do Miami Dade Cultural Affairs. Em 2012, ele foi premiado com o Knight Arts Challenge Grant. Também em 2012, foi premiado pela segunda vez consecutiva com o Individual Artist Fellowship da Secretaria de Cultura do Estado da Flórida. Soledade recebeu verba através do Creation Fund Grant e do Forth Fund Grant da National Performance Network em 2011 para criar “Cordel”. Augusto Soledade Recebeu seu Mestrado em Dança pela SUNY Brockport em 1998. Soledade é Baiano e radicado nos EUA há vinte e cinco anos; iniciou seu treinamento de dança na Universidade Federal da Bahia, em um programa com forte ênfase em dança moderna e treinou com Garth Fagan e Clyde Morgan. Ele também é formado em jornalismo pela Universidade Federal da Bahia.

BAHIA MUNDO – EPISÓDIO 03

Convidado: Armando Pekeno (França)

Apresentador: Sérgio Cerviño Rivero

Ouvir Armando Pekeno é constatar uma jornada movida por um profundo sentimento de contínua superação construída sobre raízes profundas e baianas, emaranhadas hoje na contemporaneidade.

 

Filho da Bahia, ele carrega no seu corpo uma historia de ancestralidade. A capoeira e o candomblé ritmaram sua infância. Sua expressão como artista esta marcada por uma maneira pessoal de navegar entre as raizes, a dança contemporânea e clássica. Ele participou da fundação do movimento de dança afro-contemporanea junto com o Mestre King, em Salvador. Iniciando sua carreira na Orquestra Afro-Baiana de Emilia Biancardi, ele foi interprete para coreógrafos como Arraiz, Navarro, Lia Robato como bailarino do Teatro Castro Alves, sob a direção de A. C. Cardoso. Cedo na carreira sentiu a necessidade de se expressar também como coreografo, e em 1990 se implantou na Europa, primeiro para trabalhar em Londres com a Double Edge Company. Em 1992 fundou a Cia Ladainha em Paris, junto com a bailarina e coreografa inglesa Michelle Brown, e mais tarde nos anos noventas a CooperaAva Bretona de Capoeira (CBC). Junto coreografaram múltiplas criaçoes, varias foram reconhecidas como obras originais, e hoje sempre ativos, navegam entre França, Africa e America Latina.

BAHIA MUNDO – EPISÓDIO 04

Convidada: Dimi Ferreira (França)

Apresentador: Sérgio Cerviño Rivero

A vida de Dimi Ferreira é um grande abraço no mundo e na França: esse lugar que venera a cultura e a dança. O segredo é ir em frente, sempre, estudando muito e respeitando memórias, aquelas de uma vida inteira e aquelas imensamente subjetivas.

 

Dimi Ferreira, professora de dança contemporânea titular do Conservatório Charles Munch, em Paris. Foi coreógrafa do Balé Jovem deste conservatório e dançarina do coletivo de improvisação dos professores de dança dos conservatórios parisienses. Em Salvador dançou nos grupos Africa Poesia, Mantra e da Companhia de dança do Olodum. Diplomas de psicologia clínica e especialização em coreografia na UFBA. Mestrado em dança Contemporânea na Universidade René Descartes. Diploma nacional de Professora de Dança Contemporânea no Centro Nacional da Dança, em Paris. 

BAHIA MUNDO – EPISÓDIO 05

Convidado: Carlos Sampaio (Alemanha)

Apresentador: Sérgio Cerviño Rivero

Carlos Sampaio traz a sensatez como marco entre o vivenciado e o observado, na Bahia e na Alemanha. Seu entendimento da dança consiste em pontuar que, no palco, e mais, na cena da vida, a compreensão precisa de si, sua identidade, é o que faz o dançarino existir.

 

Nascido em Salvador-BA, obteve sua primeira formação em dança em Salvador e São Paulo. Em 1995 mudou-se para a Alemanha onde se graduou em dança pela Folkwang Universität em Essen. Sob direção artística de Pina Bausch e Lutz Förster na Cia. Folkwang Tanzstudio, dançou coreografias de Susanne Linke e Mark Sieczkarek.  Seguiram-se trabalhos nas cias. Tanztheater Basel, Tanztheater Kassel entre outras, na Alemanha e na Suíça, dançando coreografias de Joachim Schlömer, Ana Mondini e Gisela Rocha. Depois da formação em licenciatura em dança, concluiu no ano de 2000 uma pós-graduação em coreografia, recebendo em seguida uma bolsa de estudo da Folkwang Universität para pesquisa e montagem coreográfica. No ano de 2002 foi contemplado com a bolsa de estudo da Fundação de Arte e Cultura do estado da Renânia do Norte-Vestifália, para qualificação como coreógrafo no exterior. Com a coreografia “Fliegen” ganhou o prêmio internacional de coreografia “Prix Volinine” em Paris; em seguida, a convite de festivais internacionais de dança, apresentou esta montagem na Coreia do Sul, França e Alemanha. Em 2003 esteve como coreógrafo residente do festival de dança “Ateliê de Coreógrafos Brasileiros” em Salvador-Bahia, onde criou o espetáculo coreográfico-visual “Branca Retina”. Depois de alguns anos de atividade como bailarino e coreógrafo, concluiu em 2008 o mestrado em dança contemporânea da Folkwang Universität. Desde 2009, além das oficinas, colabora com cias. de dança e de teatro, com preparação corporal de elenco e dramaturgia coreográfica para montagens cênicas. Atualmente trabalha na Alemanha com as cias. Tanzmoto e TheaterTotal.

O VIVADANÇA é um espaço de celebração da dança e da diversidade em movimento. Ao longo de 13 anos de história, o festival coloca a Bahia na rota de eventos calendarizados promovendo ricos diálogos e intercâmbios culturais.
logo-vivadanca-100px

O VIVADANÇA é um espaço de celebração da dança e da diversidade em movimento. Ao longo de 13 anos de história, o festival coloca a Bahia na rota de eventos calendarizados promovendo ricos diálogos e intercâmbios culturais.

regua-de-marcas-vivadanca1024_C

2021 – Vivadança Festival Internacional